MINHAS COISAS

Pessoas não deviam ser usadas. Pessoas devem ser amadas ou odiadas. A indiferença ocasional também é aceitável. Porém usamos as pessoas, ainda que não intencionalmente, mas a cada dia as pessoas são mais usadas. Algumas usamos para suprir nossa carência emocional, outras suprem nossas necessidades físicas.  Há aquelas que usamos para o trabalho, pelo lucro, pelo dinheiro e aquelas que usamos simplesmente porque estão ali. E quase todos usam e são usados, como se isso justificasse o injustificável, como se  a vida moderna, o efêmero, o moderno, o capitalismo selvagem nos desse a licença de usarmo-nos. Usamos uns aos outros como se fossemos descartáveis.

Coisas não deveriam ser amadas ou odiadas. Coisas devem ser usadas. A indiferença ocasional também é aceitável. Mas amamos e odiamos nossas coisas com uma paixão enlouquecedora. E as coisas se tornam nosso bem maior. Trabalhamos para termos mais coisas, coisas melhores e mais bonitas. E elas nos dão prazer e tristeza, alegria e frustração como se fossem eternas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s