E SE TU TENTASSE?

Sse tu tentasseurpreendi-me com a simplicidade das palavras que saíram da boca de meu amigo após o breve silêncio que se deu quando terminei de lhe contar minhas mais recentes amarguras. Não acredito que a pausa tenha sido proposital.

Meu amigo não é do tipo que faz pausas dramáticas somente para trazer mais emoção à cena. Ao contrário, ele é daqueles que fala primeiro e faz a pausa depois, e só então processa o que acabou de dizer. Daí o meu espanto. A história que contei deve ter, no mínimo, lhe causando alguma estranheza. Não sei se me sinto lisonjeada ou preocupada, mas tudo bem.

O chamei para um Happy Hour naquele fim de tarde de verão justamente por ser ele o meu amigo mais prático. É avesso as complicações inventadas. Aquelas que criamos para deixar a vida mais emocionante. Vive de maneira simples e aquela simplicidade toda faz de sua vida uma das mais emocionantes que já conheci. Tomava cerveja porque estava com sede, não tomava se ia dirigir e sabia que se dirigisse não poderia beber. Então fazia sua escolha: ou ia de carro e abria mão da cerveja ou bebia e abria mão de ir de carro. A escolha era dele e a consequência também. Sem dramas. Simples olhar sobre a vida.

Mas hoje o problema era meu, e em meio a todas minhas complexidades inventadas, precisava de uma boa dose de sua simplicidade espontânea. Estava em apuros e não sabia o que fazer. Já havia perdido horas pensando no que fazer, se aquilo seria mesmo o melhor para mim, se daria certo, se eu conseguiria ou não e o que eu faria diante de todas e cada uma destas possibilidades. Precisava de um ouvido amigo e de um conselho sincero e nestas duas coisas meu amigo é especialista.

Falei, falei e falei mais um pouco. Entre um gole e outro em sua cerveja, meu amigo, que naquela noite havia optado por não dirigir, apenas soltava breves interjeições e fazia algumas poucas perguntas. Precisava ouvir e ouviu. Ouviu tudo, em detalhes e até o final.

E após toda ladainha, parou, pensou por alguns segundos que pareceram uma eternidade, chegou a uma simples conclusão: e se tu tentasse? E completou a interjeição: “se vai conseguir ou não é problema para depois da tentativa.”

Nada como conselhos simples e espontâneos. Dessa vez eu prometo tentar. Deixa o problema para hora certa.

Anúncios

6 pensamentos sobre “E SE TU TENTASSE?

  1. Leirane disse:

    Tentar é sempre uma ótima pedida…adorei!

  2. laura disse:

    tu é foda, diguidin, diguidin.

  3. liege wagner disse:

    me encanta a cadencia das tuas narrativas. bjs. Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s